» » A picada da cobra dói?

A picada da cobra dói?

Segundo pesquisas os acidentes por cobras do tipo laquétipo e brotópico, costumam doer, e nos casos de picaduras por serpentes  crotálicos e elapídico não.

Traduzindo:

Laquétipo é um ataque do grupo de serpentes tipo jararacas, (não confundir com o dito popular).


Brotótipo é um ataque de serpente do tipo surucucu.

Crotálico é um ataque causado pela cascavel, (mais uma vez não confundir com outras espécies humanas).

Elapídico é um ataque de coral verdadeiro, não pense aqui que tem a ver com o intuito e a personalidade da cobra, o que se diz como verdadeira, é por ser peçonhenta, pois muitas cobras imitam a coral, porém não são venenosas.


Todos estes detalhes fazem parte dos estudos de cobras de nosso País, não estamos nos atentando a cobras que habitam outros lugares do planeta.

Então podemos afirmar de forma simplória que 50% (cinquenta) por cento dos ataques doem e os outros restantes não tem dor local eminente, e desta foram podemos classificar ou oferecer a quem nos prestar socorro uma possibilidade de acerto com relação ao soro que deve ser inoculado em nosso organismo para contra partir com o veneno. Aumentando assim a eficácia no tratamento e recuperação do acidentado.


Ponto Importante

Outro fator que é importante salientar é que nem sempre quando uma serpente nos ataca ela injeta seu veneno em nosso organismo. É sabido que este ato enfraquece muito a serpente e esta acaba ficando exposta a predadores, então ela ataca abocanhando, mas sem inocular o veneno, isto muitas vezes é suficiente para que a presa se afaste e a cobra volte a se sentir segura. E ainda com uma dose de veneno para se defender de outro ataque da mesma presa ou não.

Cobras são animais de sangue frio, isto não significa que é (popularmente falando) “sangue de barata”. Cobras são animais que povoam o meio ambiente, vivem a espreita de caça e procuram se reproduzir de tempos em tempos com o intuito de perpetuar a espécie, o que se assemelham a muitos outros tipos de seres vivos. Sua picada potente e as vezes dolorida as divergem de outras espécies, mas não a transformam em predadores que devem ser combatidas.

Atualizado em: 19/09/2012 na categoria: Cuidados