Qual o Habitat da Cobra – Onde as Cobras Vivem?

O habitat natural das cobras depende de sua espécie. Algumas cobras vivem no solo, outras na água e outras ainda entre o solo e água. No solo, elas podem viver em árvores, nas superfícies, no subsolo ou sob pedras e troncos caídos.

Répteis que povoam o mundo desde muitos séculos, as serpentes, assim como todo o meio ambiente, foram se readaptando e vivendo conforme as condições que lhes eram mais favoráveis, dependendo da topografia local, das áreas em que vivem, da temperatura do solo e do clima local.

Alguns exemplos de serpentes que vivem no solo são:

  • Cascavel (grupo crotálico), que prefere lugares secos e com pedras;
  • Jararaca, Urutu e Jararacuçu (grupo botrópico), que também são encontradas em árvores e preferem áreas úmidas, próximo a rios e lagoas;
  • Surucucu (grupo laquético);
  • Sucuri e Jiboia, que vivem em matas nas beiras de lagos e rios.

Serpentes venenosas são mais encontradas em campos abertos e áreas cultivadas do que em meio a densas florestas. As corais (grupo elapídico), preferem o subsolo.

As serpentes que vivem tanto na terra como na água, como a cobra-de-água-viperina, muito comum em Portugal, tem características próprias e o fazem em determinadas regiões do planeta, seja por evolução ou por natureza própria do animal.

Habitats Naturais das Cobras




As serpentes devem ser respeitadas em seu habitat natural, uma vez que a invasão de predadores ou desconhecidos em sua área pode culminar em um ataque, a depender da espécie da serpente em questão.

Por isso é importante ao nos aventuramos em pântanos, lagos, lagoas, terrenos e matas fechadas, etc, estarmos cientes das serpentes que podem habitar essas áreas. A presença de um guia é necessária e prudente.

Cobras que Habitam Pântano

A sucuri e a cobra-d’água são dois répteis que habitam os pântanos brasileiros na região do Pantanal.

Cobras que Habitam o Deserto

Algumas serpentes que habitam o deserto são:

  • Víbora Chifruda ou Serpente do Deserto (Cerastes cerastes)

A víbora chifruda é uma espécie de cascavel com chifres que vive nas regiões desérticas do Sudoeste dos Estados Unidos e do Nordeste do México. Elas são pequenas, medem cerca de 75 cm, possuem cor marrom (facilmente confundida com a areia) e passam o dia enterradas na areia ou em tocas de roedores, saindo para caçar roedores à noite.

Apesar de ter um veneno potente, esse tipo de serpente faz poucas vítimas, já que seu habitat não costuma ser frequentado por humanos. Quando estão sob a areia, apenas seus chifres ficam visíveis na superfície do solo e podem servir para atrair animais curiosos que servirão de alimento para a serpente do deserto.

  • Serpentes do gênero Naja

Existem entre 20 a 22 espécies de serpentes pertencentes ao gênero Naja. São serpentes venenosas e muito agressivas, todas capazes de matar seres humanos. Algumas espécies podem chegar ao comprimento máximo de 3,1 m.

As najas podem ser encontradas na África, Sudoeste e Sul da Ásia e no Sudeste Asiático.

  • Cascavel de Mojave (Crotalus scutulatus)

A cascavel de mojave é a serpente mais perigosa do deserto de Mojave, no Sudoeste dos Estados Unidos e no México. Medem de 45 a 90 cm de comprimento e possuem hábitos diurnos e terrestres, embora sejam noturnas quando o clima está mais quente.

O veneno da cascavel de mojave é considerado o mais tóxico entre todos nas Américas.

Cobras que Habitam o Sertão

As serpentes que habitam o sertão e a caatinga, são:

  • Salamanta ou cobra-de-veado;
  • Cascavéis (as mais perigosas que habitam a região);
  • Jararacas, Jararacuçu e Jiboia;
  • Cobra Preta Muçurana (Pseudoboa Cloelia);
  • Jararaquinha;
  • Sucuri;
  • Coral-verdadeira (Micrurus ibiboboca) e falsa-coral (Oxyrhopus trigeminus);
  • Cipó-bicuda (Oxybelis aeneus), Cipó-verde (Philodryas aestivus) e Cobra-verde (Philodryas olfersii);
  • Corre-campo;
  • Papa-pinto;
  • Cobra-de-cabeça ou papa-ovo (Thamnodynastes sp);
  • Boipeva (Waglerophis merremii);
  • Cobra-Preta (Pseudoboa nigra).

Cobras que Vivem no Mar

Algumas cobras (serpentes) que vivem no mar são:

  • Hydrophis spiralis (chega a atingir 3 m de comprimento);
  • Enhydrina schistosa (possui um dos venenos mais mortais entre todas as serpentes conhecidas);
  • Serpente-verde-oliva (em uma picada injeta veneno suficiente para matar até 60 pessoas).

As serpentes do mar vivem nas regiões tropicais do Oceano Índico e do Oceano Pacífico. A maior diferença que há entre elas e as cobras terrestres é a cauda achatada lateralmente, característica comum a todas as serpentes marinhas.

Elas pertencem a subfamília Hydrophiinae e há cerca de 62 espécies conhecidas. As serpentes do mar são extremamente venenosas e podem ou não ser agressivas. Medem, geralmente, de 1,20 a 1,50 m, mas podem ultrapassar essa marca.

As serpentes que vivem no mar provavelmente são capazes de absorver o oxigênio através da pele e possuem poucos predadores. Elas possuem uma glândula abaixo da língua que serve para excretar o sal. Seu pulmão direito é ampliado e vai até a cauda do animal. Partes de ambos os pulmões são utilizados como órgão hidrostático, ajudando na flutuação.

As espécies de serpentes que vivem na água o fazem devido a evolução natural da espécie e de subterfúgio de seus predadores naturais, além de que sua dieta é exclusivamente de espécies que vivem na água, ou que entram para se refrescar, ou invadem sua área sem conhecer ou por desconhecimento total do perigo que se expõe.


Leia também: